22/03/2017

 

 

 

 

 


Imagem aérea do Cota Mil - Foto do Arquivo Nacional

O que hoje é o Cota Mil, de concreto e argamassa foi, um dia, um sonho de um grupo, que na solidão do planalto, procurava os momentos de folga para uma reunião, um bate papo, onde se falasse da cidade de origem, das pessoas que alguém poderia conhecer, dos planos para as futuras obras, da vida alheia, enfim, de tudo que surgisse. 

 


Gilberto Scarpa, Teodoro Bayma e Talita Aparecida de Abreu

 


Gilberto Scarpa, Talita Aparecida de Abreu e Teodoro Bayma

As conversar no bar do hotel Santos Dumont, com o requinte que nem a poeira da cidade livre conseguia apagar não eram bastante para o pequeno grupo. Depois, na sala do Aldo, no segundo andar do Palace, fundou-se um dia, o Clube do Cinema. Foi à semente para depois surgir o Cota Mil que todos conhecem hoje. O primeiro presidente foi Ernesto Silva. Entusiasta da idéia foi um dos grandes batalhadores na conquista do terreno, que saiu, finalmente, graças ao seu esforço. Mas o terreno não era tudo. Faltava a sede. Foi feito então o Cotinha Bar, que hoje não existe mais. Desapareceu para sempre em uma quinta-feira santa. Um barraco de madeira, muita conversa foi gravada, muita presença admirada ou detestada, muita coisa se conversou, muitas histórias se desenvolveram.


Cotinha Bar visto do lago


Conclusão da obra do Cotinha Bar com Talita de Abreu


Inauguração do Cotinha Bar – 9 de março de 1961


Cotinha Bar

As crianças, na sua inocência alegre, pescavam as pequenas tilápias que apareciam assustadas ou lambaris enérgicos que dançavam em busca de isca. Hoje, as tilápias estão adultas, as crianças maiores, e o Cotinha não existe mais. É somente lembranças.


Brincadeiras com a criançada de corrida do ovo 


Parquinho infantil 1962 


Praia do Cota Mil a beira lago

Gente grande, jogando biriba o dia inteiro, inspirava romances que depois se concretizaram. Outros, desmoronaram-se como castelos de areia na onda do mar. Gente amiga se encontrava, negócios eram feitos sobre tudo da cidade, principalmente do clube.


Muitas conversas e drinks no Cotinha Bar


A sociedade de Brasília se reunia no Cotinha Bar


Jogos de baralho no Cotinha Bar com a sociedade brasiliense

 

 

COTA TRÊS

Foi numa dessas conversas que surgiu o Cota Três. Todo clube para ir adiante precisa de um grupo que se distinga, que trabalhe, que não dê ouvidos aos falatórios, porque os que muito falam pouco ou nada realizam. Foi assim que surgiu uma equipe que desafiou o tempo, o vento e as línguas ferinas. Teodoro Bayma, Gilberto Scarpa e Talita Aparecida de Abreu constituem o Cota Três, que tantas discussões geraram no clube. Antes a sede do Cota era na Churrascaria do Lago, que na época chamávamos  de “anexo à cozinha”. Local de grandes discussões, grandes brigas dentro do clube, mas de grandes vitórias e realizações. Hoje, os mais ferrenhos reconhecem no Cota Três uma equipe que deu vida ao clube, deu força a sociedade, deu consistência à organização. Mas ao tempo das discussões, cada um dizia o que queria, pegava fogo a sede do clube, e dessa luta tremenda surgiu o que mais concreto existe em matéria de clube em Brasília: uma sede definitiva, contra a vontade de muitos, que queriam construção provisória, e hoje vêm, satisfeitos, o grande esforço do Cota Três, que é a própria história do Cota Mil.

 


Talita de Abreu arrumando a maquete do Cota Mil para apresentação


Maquete do projeto original do Cota Mil

Houve de tudo no Cota Mil. Até cobrança pelos jornais para os sócios em atraso, para que as obras não fossem paralisadas. Houve respostas pelos jornais dos devedores, mas tudo foi realizado, e hoje, na paz de todos os sócios a alegria domina o clube, como uma grande  concentração da sociedade de Brasília

.

Construção da fundação do luxuoso hotel que teria beira lago


Vista dos fundos do Cotinha Bar


Operários terminando a piscina infantil e os jardins


Construção da piscina de adultos

Lembro que um dia, às 7 horas da manhã, na Novacap, Talita discutia com o Vasco Viana de Andrade porque não havia sido feito o asfalto de acesso ao clube. No Departamento Imobiliário, a mesma luta para regularizar o terreno. No DUA, chegou a haver briga por causa do Cota Mil, mas tudo passou. Hoje todos se abraçam, porque o ideal foi alcançado, e o clube está com a primeira etapa pronta.


Vista aérea do Cota Mil

É uma história de lutas e de coragem, a do Cota Mil. E ao cair a última telha do Cotinha, eu, ao lado de minha ex vizinha aí do lado, estávamos juntos na manhã quente, apreciando o barraco que outrora fora o Cota Mil, e que agora foi demolido. A tristeza de Talita era enorme, vendo o martelar dos operários na velha sede de madeira. Quase chorou, mas virando-se para a esquerda, correu os olhos pelo parque infantil, onde apenas uma criança solitária brincava. Esticou o olhar, e chegou a sede de concreto, sede definitiva, onde todo mundo trabalhava. Sorriu, enfim. E num esforço de coragem, limitou-se a comentar: “nem parece que deu tanto trabalho...”” Texto de Ari Cunha – Correio Brasilienze – 17 de abril de 1963

 


Demolição do Cotinha Bar


Vista do Parquinho infantil e Cotinha Bar

Hoje, o Cota Mil Iate Clube renova os ideais que originaram o Clube, de proporcionar aos sócios um ambiente familiar, saudável e acolhedor. Conta com uma ampla estrutura, com quadras de tênis, futevôlei, vôlei, peteca, campos de futebol, diversificado parque aquático, parquinhos, churrasqueiras, sinuca, salões para festas, saunas seca e úmida, restaurante e ainda oferece toda estrutura para os praticantes de esportes náuticos.

Quem caminha pelo clube hoje, e o compara com o que existia em sua origem, certamente nota sua modernização e adequação aos novos tempos. E é essa contínua evolução, que faz do Cota Mil Iate Clube uma das melhores opções de lazer na cidade.

 

 

Fatos Marcantes e Curiosidades

3 de novembro de 1959, meses antes da fundação da nossa capital, foi fundado o Cota Mil Iate Clube, que surgiu do sonho dos jovens Talita Aparecida de Abreu, Teodoro Bayma de Carvalho e Gilberto Scarpa, motivados pelo ambiente de modernidade, ousadia e fraternidade da nova cidade. Foi o primeiro clube beira lago de Brasília.

 


1ª Convocação do Clube do Cinema “Cota Mil” – 28 de setembro de 1959

 

2/12/60 – A área do Cota Mil foi doada pela Novacap por Antonio Bernardino de Sá – Chefe DI


“Bayma depois de uma espera na Novacap de 5 horas consegui retirar o documento necessário ao início do nosso Cota Mil. 13-6-61 – Talita”

 

9/11/61 – a piscina infantil e o jardim foram inaugurados no dia 9 de novembro de 1961, um projeto do arquiteto Sérgio Bernardes


Meninas na piscina infantil


Meninos na piscina infantil 


Brincadeiras na piscina infantil

 

15/3/62 - Scarpa era conhecido como “Tubulão”


Scarpa ao centro conhecido como “Tubulão”, após o banho de inauguração da piscina

 

Março/63 – a primeira reunião do Conselho foi realizada no Hotel Nacional para a eleição de sua mesa. O Conselho era composto por 30 membros e dois nomes se apresentaram para a presidência: Ignezil Pena Marinho e Júlio Furquim Sambaqui, vencendo o segundo. Para secretários do Conselho foram eleitos Walter Galante e Obdego Batista. Dessa primeira reunião foram designadas duas comissões especiais: uma para a confecção da bandeira do clube e outra para a redação do Regimento Interno do Conselho. Júlio Sambaqui foi nomeado Ministro da Educação neste mesmo ano. 


Júlio Sambaquy ao centro, Presidente do Conselho do Cota Mil e Ministro da Educação - 1963

19/4/63 – Hasteamento da Bandeira Nacional e inauguração da piscina e salões         


A benção do Padre Roque inaugurando a sede com a presença do Prefeito de Brasília Ivo Magalhães – 19 de abril de 1963


Talita de Abreu e o Prefeito de Brasília Ivo Magalhães inaugurando a sede do Cota Mil

 


Prefeito Ivo Magalhães inaugurando a piscina do Cota Mil em 19 de abril de 1963 com Carlos Penna Robichez, Comodoro Demades Madureira de Pinho, Alberto Cardoso e outros.
 

Inauguração da piscina de adultos

 


Vista da piscina e garagem alta do Cota Mil ao fundo

 


Bayma foi jogado na piscina no dia da inauguração

 


Inauguração da Piscina de adultos

 

18/06/71 – a Miss Cota Mil, Alzinete Lourdes de Freitas foi eleita a Miss Fotogenia e ganhou o segundo lugar no concurso de Miss Brasília. Em 1961 o Cota Mil já lançava a sua fortíssima candidata ao concurso de Miss Brasília, Rosemary Menezes.


Miss Cota Mil Alzinete Lourdes de Freitas 

 


Concursos de beleza no Cota Mil

 

- O Cota Mil foi criado para ter um número muito pequeno e seleto de sócios. Em março de 1963 tinham 394 sócios e em 2016 o total de sócios proprietários e remidos foi de 651.

- A piscina de adultos tem 25x25m, com 4,80 metros em sua parte mais profunda e um trampolim de 5m de altura. Projeto do internacionalmente famoso arquiteto Sérgio Bernardes. A piscina foi feita com um conjunto de viseiras que vieram da Alemanha, como um aquário, aonde os freqüentadores do restaurante podiam ver quem se aventurava e se atirava dos trampolins. 


A diversão dos jovens eram os trampolins com até 5 metros de altura

 


Piscina de adultos com os seus 4,80 metros de profundidade e os janelões que dava para ver os mergulhadores do salão principal

 


Nova geração do Cota Mil em 1963 em frente aos janelões da piscina de adultos que ficava no salão principal

 

- A empresa IMECO que construiu a garagem de barcos.


Garagem alta de barcos

 


Garagem alta de barcos

 


Construção da garagem de barcos

 


Garagem de barcos

 

- Por 4 anos, o dedicado sócio Manuel Pessoa Mendes e sua esposa Ana Mendes tocaram com entusiasmo o “Cotinha”, sendo uma das pessoas que mais sabiam falar sobre o Cota Mil na época. Mendes trabalhou com a Talita no extinto IPASE - Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado.

- Talita era uma funcionária pública que se tornou a primeira colunista social da capital, a Katucha.


 

Talita Aparecida de Abreu mais conhecida como Katucha, a primeira colunista social de Brasília

- Motivo do nome Cota Mil, na época ainda não existia o lago. O serviço de topografia havia aberto uma pista demarcando o local até onde chegariam as águas, quando o lago fosse feito. Nessa estrada havia uma placa indicando a cota que atingiria o lago: mil metros acima do nível do mar. Naquele momento Bayma, Talita e o Major Assis estavam no local conversando sobre o nome. Talita encontra uma placa de madeira com essa inscrição, olha para o Bayma e para o Major Assis. Do silêncio nasceu o clube até hoje conhecido como Cota Mil.

 


Teodoro Bayma, Major Assis, Talita Aparecida de Abreu e Gilberto Scarpa

 

- Existia uma praia privativa com areia, em forma de enseada, que confrontava com as águas do lago Paranoá.


Vista aérea do Cota Mil – Foto do Arquivo Nacional

 

- A idéia do projeto inicial era a construção de um grande e luxuoso hotel que serviria também como sede social, mas que não foi para frente.

- No projeto original, seriam construídas estribarias aonde hoje são os campos de futebol.

- O Comodoro Demades construiu a área do teatro aonde hoje funciona a academia de Aikidô.

- Salvador Aversa que fez os campos de futebol sob o comando do então Comodoro Cláudio Coletti.

- A melhor e única boate de Brasília na época era no Cota Mil com capacidade para até mil pessoas.

- Para que fosse feita a reforma completa no Salão Nobre foi consultada a equipe de engenharia da UNB para análise da estrutura e retirada das escadas.

- 4/11/80 – 50 barcos na Regata de Comemoração dos 21 anos do Cota Mil

- em 1980 foi comprado o terreno de 16mil metros junto a Terracap para a construção da sede social

- março/91 – Renato Moura e Flávio Pitanga conquistaram para o Cota Mil o título brasileiro da Classe Dingue em Araruama, litoral do Rio. No mesmo período em Florianópolis, Marcelo Dutra do Cota Mil obteve o vice-campeonato sul-americano da Classe Europa e Elaine Machado do Cota Mil conquistou o vice-campeonato feminino de Hobie Cat 14, no Sulcat, em Porto Alegre. Com a conquista do Brasileiro de Dingue, o Cota Mil assegurou o direito de sediar o próximo Campeonato nas águas do Paranoá.

 

 

Transcrição da Ata de Fundação do Cota Mil Iate Clube 

Aos três dias do mês de novembro de 1959, no segundo andar do Brasília Palace Hotel, reunidos os membros do Clube de Cinema que vinha funcionando desde vinte e nove dias do mês de setembro do mesmo ano de mil novecentos e cinqüenta e nove sob a direção do Sr. Ernesto Silva, foi aventada pela sócia senhora Talita Aparecida de Abreu em razão do grande sucesso alcançado pelo mesmo clube em suas reuniões semanais a necessidade de dar maior amplitude à sua ação abrangendo atividades sociais e esportivas. Teve a idéia aceitação unânime dos sócios presentes, sendo desde logo constituída uma comissão composta pela senhora Talita Aparecida de Abreu e senhores Walter M. Galante, Lauro Santos, Theodoro Bayma de Carvalho, e Gilberto Scarpa para tratar da organização do clube e apresentar em data a ser marcada para assembléia projeto dos Estatutos. Foram desde logo discutidos vários itens que fariam parte dos estatutos, ficando a cargo da comissão a sua redação final. Dada a ampliação de suas atividades, foi sugerida pelo sócio Carlos C. A. Amorim a modificação da denominação social; após prolongados debates sobre sugestões apresentadas foi aceita a aventada pelo sócio Major Francisco Assis, isto é, “Cota Mil Iate Clube”. Tratando-se a seguir a localização possível para o novo clube, ficou assentado que por intermédio da sócia senhora Talita Aparecida Abreu fosse requerido à Companhia Urbanizadora da Nova Capital doação a título precário de área destinada a nova sede. Teve tal resolução aplausos unânime, inclusive prometendo o sócio Ernesto Silva sua colaboração junto aos seus companheiros da Diretoria da Novacap. Foi então redigido o requerimento que a seguir se transcreve: “Ilmos. Srs. Diretores da Novacap, Brasília em novembro de mil novecentos e cinqüenta e nove, os abaixo assinados moradores e construtores de Brasília, constituíram o Clube de Cinema, que vem funcionando, há alguns meses, com absoluto sucesso, realizando sessões cinematográficas às quartas-feiras, em salão cedido pelo Brasília Palace Hotel, resolveram em reunião de 3 de novembro corrente, ampliar as atividades sociais e atendendo a inúmeros pedidos, aumentar o número de associados. Resolveram ainda solicitar a essa digna Diretoria a doação de um terreno à margem do Lago, na Zona Sul, para que nele se torne possível a construção de sua sede. Ainda na mesma Reunião ficou assentado a mudança de denominação do Clube que passaria a chamar-se “Cota Mil Iate Clube”. Caso tenham deferido pela ilustrada Diretoria da Novacap o que aqui se pleiteia, a área doada será ocupada com a construção imediata da sede social, restaurante, quadra de tênis, voleibol, bola ao cesto, garagens de barcos, etc. Esperando serem atendidos, subscrevem-se respeitosa e atenciosamente.” Pedindo a palavra o sócio Walter M. Galante, achou de bom alvitre tratar-se desde logo da fixação do número de sócios, categorias e respectivas contribuições, no que foi aprovado pelo conselho geral. Após debates foi alcançada unanimidade nas opiniões ficando fixado em princípio o quadro social de 50 sócios fundadores e 200 sócios proprietários bem como as contribuições de cinqüenta mil cruzeiros e duzentos mil cruzeiros para aquisição dos títulos correspondente tendo sido encerrada então pelo Sr. Ernesto Silva a reunião, no máximo de cordialidade, eu Theodoro Bayma de Carvalho designado para secretariar a presente reunião lavrei esta ata que vai assinada por mim, pelo dirigente da reunião e por todos os presentes depois de lida e achada conforme. Sala de reuniões, três de novembro de mil novecentos e cinqüenta e nove, Theodoro Bayma de Carvalho.

Otto Bourlier da Silveira, Mario Canevari, Elias C. B. Oliveira, Maurício Fernandes, Giorgi Veneziani, Sérgio Guimarães, Antônio A. Brandão, Mário Catramby, Fabiano C Campos, Caio Caiuby, Urias Ribeiro Billio, Obdego Batista, Helvecio Bastos Júnior, Plínio Castilho, Lauro Santos, Alberto Lang, Carlos C. A. Amorim, Arlindo dos Santos Maciel, Roberto Camargo Penteado, Aureo Vinícius Cavalcanti, Cyro Lincoln da Silveira, Dinah Maria Watzke, José Francisco Castro Alves, Luiz Dias Ferreira, Eduardo Medeiros Filho, José Horta Madureira, Zefiro Mationi, Elio Moreira dos Santos, Francisco Assis Lopes, Cássio Damasio, Cyro S. Almeida, Marco Paulo Rabello, Oscar Niemeyer, Lauriceu Cotrim Castilho (assinou p.p. Walter Milione Castilho), Carlos A. Paes Barreto (assinou p.p. Caio Caiuby), Mario Meireles (assinou p.p. Theodoro), Hilton de Magalhães (assinou Talita Aparecida de Abreu), Renato Pardo Manier (assinou p.p Walter Milione Galante), Pery Rocha França, Vasco Viana de Andrade. Reunião secretariada e datilografada por Walter Milione Galante.
 

 

GALERIA DE FOTOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Talita de Abreu sempre envolvida em toda a história, obras e momentos do Cota Mil

 


Chopada Comemorativa do término da 1ª etapa concretagem – 16 de maio de 1962

 


Chopada Comemorativa do término da 1ª etapa concretagem – 16 de maio de 1962

 


Chopada Comemorativa do término da 1ª etapa concretagem – 16 de maio de 1962

 


Chopada Comemorativa do término da 1ª etapa concretagem – 16 de maio de 1962 com Teodoro Bayma e Gilberto Scarpa

 


Chopada Comemorativa do término da 1ª etapa concretagem – 16 de maio de 1962

 


Domingo no Cotinha Bar – maio 1961

 


A alta sociedade da época esbanjando beleza nas areias da praia do Cota Mil

 


Inauguração do Parquinho infantil